NOV / DEC 2020

Q

S

S

D

S

T

Q

Q

S

S

D

Role para baixo para acompanhar a programação do dia.

deserto1.tiff

CINEMA

Catálogo de filmes
20201126_CAPAS_YT_FAV_20202.jpg

CICLO POROROCA

Água que somos

15h30

AP_CAPAS_YT_FAV_20202.jpg

MÚSICA

Concerto de abertura

20h30

Lucimelia_Romao-60@EdouardFraipont120720

PERFORMANCE

Mil litros de preto

Abertura 26 novembro 2020 | 17h

Créditos_Marlon de Paula-9153.jpg

ARTES VISUAIS

Confluência entre o pensar, o fazer artístico e o manifestar.
 
FICÇÃO

Cinema

A despedida

Larissa Shepitko / Elém Klimov

Deserto Azul

Eder Santos

Stalker

Andrei Tarkovski

CINEMA

FILMES DISPONÍVEIS

Confira os dias e horários de cada exibição

FICÇÃO

A despedida (Proschanie) | Larissa Shepitko / Elém Klimov

Deserto Azul | Eder Santos

Stalker | Andrei Tarkovski

Hotel Mekong | Apichatpong Weerasethakul

DOCUMENTÁRIOS


Filhas de lavadeiras | Edileuza Penha de Souza

 

A última volta do Xingu | Kamikia Kisedjê, Wallace Nogueira

Cidade submersa | Caetano Dias

A cura do rio | Mariana Fagundes

Água de plantar (Ciclo da Água – 4 episódios )

ANIMAÇÃO


A Sereia (Russalka) | Alexander Petrov

O velho e o mar (Starik e more) | Alexander Petrov

Os navios dos tempos passados (Korabli proshlikh liet) | 
Yuri Bogusslavski

 

CICLO POROROCA

ÁGUA QUE SOMOS

Com Ailton Krenak

“Quando o último peixe estiver nas águas e a última árvore for removida da terra, só então o homem perceberá que ele não é capaz de comer seu dinheiro.”

 

Num planeta composto por 70% de água e habitado por seres humanos cujos organismos também são constituídos por este elemento nas mesmas proporções, Ailton Krenak, um dos mais influentes pensadores da sociedade contemporânea, abre a programação da 9ª edição do Festival Artes Vertentes com a palestra Água que somos.

15h30 
 
MIL LITROS DE PRETO: A MARÉ ESTÁ CHEIA

INSTALAÇÃO | PERFORMANCE

Abertura 26 novembro - 17h
período expositivo de 27 novembro a 6 dezembro 2020
SESI Centro Cultural Yves Alves
10h às 19h

Ficha técnica:

Concepção: Lucimélia Romão

Performer: Lucimélia Romão

Trilha Sonora: Matheus Correa e Lucimélia Romão

Produtora Executiva e Biológa: Liliane Crislaine

O primeiro tiro fere, o segundo tiro causa dificuldade de respirar e o terceiro mata! Então, para que serve o quarto? O quinto? O sexto? O sétimo? O oitavo? O nono? E o décimo tiro? 

 

A maré está cheia. Cheia de balas. Cheia de corpos. Cheia de corpos negros atravessados pelas balas! Transborda dor, transborda morte. Transbordam lágrimas dos olhos das mães periféricas, aquelas mães que sabem que colocaram seus filhos no mundo para serem alvejados pelo estado e pela polícia racista brasileira. É nesse cenário estratégico de abandono que o estado mantém a população negra, em condições sub - humanas.

 

Um corpo. Mudo. Estarrecido. Crivado de dor e sangue. Sete litros. Sete litros de sangue que escoa de cada corpo, enquanto a vida se esvai, a cada 25 minutos, enchendo assim uma piscina de mil litros em cerca de 59 horas. 

 

O genocídio da juventude preta é a política base do estado para com os negros brasileiros desde a escravidão. O extermínio é iminente. Tática de guerra travada contra um povo que nunca teve direito e condições de lutar de igual para igual. Matam-se crianças, adolescentes e jovens. Diminui-se a expectativa de vida. Estupram-se mulheres, crivam de balas seus filhos.

 

​MÚSICA

Almeida Prado (1943 - 2010):

-Noturno 2 

-Noturno 4

Frédéric Chopin (1810 - 1849)

-Prelúdios op. 28

Serguei Rachmaninoff (1873 - 1943): 

-8 Canções

           Ti pomnish li vecher op. posth (Você se lembra daquela                         noite)
            Fontan op. 26/11(A fonte)

            Ostrovok op. 14/2 (O ilhote)

            Vesennie vodi op. 14/11 (Águas primaveris)

            Rechnaya lilya op. 8/1 (Nenúfar)

            Ne poi, krasavitsa op. 4/4 (Não cante, minha bela)

            Burya op. 34/3 (A tempestade)

            Ne ver mne, drug op. 14/7 (Não me creia, amigo)

Músicos: 

Eliane Coelho, soprano

Cristian Budu, piano

Gustavo Carvalho, piano

20h30 
Concerto I
 
Confluência entre o pensar, o fazer artístico e o manifestar.
26 novembro a 6 dezembro 2020
SESI Centro Cultural Yves Alves
10h às 19h

1/4

EXPOSIÇÃO | ARTES VISUAIS