ARTISTAS 2021

IMG-20190509-WA0012.jpg

Alexandre Barros

art_1136.jpg

Cristian Budu

CASTANHA, Marilda.jpg

Marilda Castanha

Alma_Liebrecht_Maio_14_0452(baixa).jpg

Alma Liebrecht

Foto divulgacao. (Foto de Ísis Alcântara) (1).jpg

Eduardo Hargreaves

3493.jpeg

Mikhail Bugaev

IMG_5969-3.jpg

André Mehmari

Gustavo Carvalho (photo by Bertrand Clav

Gustavo Carvalho

20210112_113324.jpg

Nelson Cruz

20190610_164003_edited_edited.jpg

Cássia Lima

2021-foto-Solista-Marcus-Vinícius-Correia-1.jpg

Marcus Julius 

FOTOGRAFIA 1 - RICK RODRIGUES.jpg

Rick Rodrigues

Carignan, Catherine - Crédito Mariana Garcia.jpg

Catherine Carignan

portraitMM.jpg

Mari Mael

BIO

art_1136.jpg

Cristian Budu

Brasileiro filho de romenos, Cristian Budu desponta como uma nova referência no mundo pianístico. Vencedor do renomado Concurso Internacional Clara Haskil (Suíça), seu primeiro CD solo ganhou o “Editor's Choice” na Inglaterra e cinco “Diapasons” na França. Atuou como solista à frente da Orquestra Sinfônica de Lucerna, Orquestre de la Suisse Romande, Orquestra Sinfônica da Rádio de Stuttgart, OSESP, Orquestra Filarmônica de Montevideo, OSB, Orquestra Filarmônica de Minas Gerais, entre tantas outras. Apresentou-se como solista em importantes salas como o KKL de Lucerna, Ateneu de Bucareste, LAC de Lugano, Liederhalle, Jordan Hall e Sala São Paulo. Participa regularmente de importantes festivais e séries na Europa e nas Américas, entre os quais destacam-se “Les Grands Interprètes” de Genebra, “Klavierissimo” de Zurique, “Piano aux Jacobins” (França), Rockport Music Festival (EUA), Zermatt Festival (Suiça), Delft Chamber Music Festival (Holanda), Frankische Musiktage - série ‘Rising Stars’ (Alemanha), Festival Internacional de Piano de Monterrey (Mexico), Festival Internacional de Campos do Jordão e o Festival Verbier (Suíça). Cristian Budu é o criador do projeto Pianosofia, que tem apoio da Sociedade Cultura Artística, no intuito de "acordar" e recuperar os pianos que existem nas casas das pessoas, e promover a música de câmara e músicos locais.

Participou pela primeira vez do Festival Artes Vertentes em 2020.

Foto divulgacao. (Foto de Ísis Alcântara) (1).jpg

Eduardo Hargreaves

Eduardo Hargreaves nasceu em 1994, em Juiz de Fora. Viveu em Belo Horizonte até os 26 anos, onde concluiu bacharelado em artes visuais com habilitação em desenho pela Escola de Belas Artes da Universidade Federal de Minas Gerais, em 2017. Desde 2014, participa de diversas exposições individuais, coletivas e residências artísticas. Premiado pelo programa Mostras BDMG em 2018, com a exposição “Cartas para um lugar”, segue para realizar suas três primeiras exposições individuais no mesmo ano. Enquanto artista residente do Atelier Aberto, no Centro Cultural da UFMG, em 2019, passa a integrar o grupo Escotoma, do qual fez parte por dois anos. Em 2021, foi artista convidado na residência artística internacional Regards d'Artistes sur l'Urbanisme, em Tourcoing, França. Hoje vive e trabalha em Tiradentes.

Participou pela primeira vez do Festival Artes Vertentes em 2018.

Gustavo Carvalho (photo by Bertrand Clav

Gustavo Carvalho

Gustavo Carvalho estudou com Magdala Costa em Belo Horizonte, com Oleg Maisenberg em Viena, e com Elisso Virsaladze no Conservatório Tchaikovsky de Moscou. Venceu o II Concurso Nelson Freire no Rio de Janeiro. Se apresentou em importantes salas de concerto, tais como a Tonhalle de Zurique, Musikverein de Viena, Auditorium du Louvre, Philharmonie am Gasteig de Munique e a Grande Sala do Conservatório Tchaikovsky de Moscou. Em 2011, realizou a integral das 32 Sonatas de Beethoven em Belo Horizonte. Solista de diversas orquestras, tocou sob a regência de Ira Levin, Howard Griffiths, Yuri Bashmet e Evgeny Bushkov, dentre outros. Como camerista, colaborou com os violinistas Geza Hosszu-Legocky e Daniel Rowland, os pianistas Nelson Freire, Elisso Virsaladze e Cristian Budu, a soprano Eliane Coelho e com membros das Orquestras Filarmônicas de Viena e Berlim. Foi apontado pelo Le Monde de la Musique (2004) como um dos pianistas mais promissores de sua geração. O seu interesse pela música contemporânea leva-o a colaborar com diversos compositores de renome no cenário internacional tais como György Kurtág, Samir Odeh-Tamimi, Harry Crowl e Sérgio Rodrigo.

portraitMM.jpg

Mari Mael

Mari Mael nasceu na França, em 1979. Vive e trabalha no Rio de Janeiro. O caráter bruto e singular da Bretanha, sua região de origem, está no centro de seu universo criativo, sendo enriquecido ao longo do tempo por suas viagens e descobertas.

Oscilou entre períodos solitários, e outros, ricos em encontros artísticos e humanos. Criando a partir dos resultados de cata, de sons e de materiais primários como a argila, Mari Mael leva seu olhar sobre o questões ligadas à sociedade, à feminidade e à memória.

Participou pela primeira vez do Festival Artes Vertentes em 2012.

Artista Residente

CASTANHA, Marilda.jpg

Marilda Castanha

Marilda Castanha nasceu em Belo Horizonte. No final dos anos 80, se formou  em desenho na Escola de Belas Artes da UFMG. Nesta mesma época  começou também a se dedicar à criação de ilustração de livros para a infância, colaborando com importantes editoras brasileiras tais como a  Cia das Letrinhas, ed. Positivo, FTD, Peirópolis, Lê/ Abacatte, Scipione e Nova Fronteira. Entre as premiações destacam-se dois  Prêmios Jabuti, na categoria Ilustração, (em 2000 e 2011, respectivamente com os livros “Pindorama, terra das Palmeiras” e “Mil e uma estrelas”). Em 2017, na Coreia do Sul, foi premiada na categoria Purple Island, do Nami Concours, com o livro de imagens “Sem fim”. A sua obra integrou a programação do Sesc Belenzinho (São Paulo), do 7º Festival Internacional de Quadrinhos - FIQ  (Belo Horizonte) e da Bienal de Literatura do Rio de Janeiro. Marilda castanha foi convidada também  em várias edições da mostra Le Immagini della Fantasia, em Sármede, cidade do norte da Itália. Em 2021, participa da Bienal Internacional de Ilustração de Bratislava. Vive e trabalha em Santa Luzia.

Participou pela primeira vez do Festival Artes Vertentes em 2020.

Artista Residente

20210112_113324.jpg

Nelson Cruz

Indicado para o prêmio Hans Christian Andersen pelo conjunto da sua obra, os livros do ilustrador mineiro Nelson Cruz receberam os principais prêmios do mercado editorial brasileiro, entre os quais se destacam o Prêmio da Biblioteca Nacional, da APCA, da ABL, além de seis prêmios Jabutis. Desenhista autodidata, em meados dos anos 70, estudou pintura por dois anos no ateliê-galeria da pintora Esthergilda Menicucci, em Belo Horizonte. Nessa época, conviveu com cartunistas, descobrindo no desenho de humor e na caricatura uma segunda paixão. Como caricaturista, contribuiu com diversos jornais brasileiros. Desde 1998, trabalha como autor e ilustrador para o mercado editorial brasileiro, colaborando de maneira regular com as principais editoras do país. Em 2012, os originais do livro Alice no telhado, de sua autoria, participaram da exposição Tea with Alice, homenagem aos 150 anos do livro Alice no país das maravilhas, no Museu de História de Oxford (Inglaterra) e na Fundação Gulbenkian, em Lisboa (Portugal). Em 2021, representa o Brasil na Bienal Internacional da Bratislava (Eslováquia), com ilustrações dos livros Sagatrissuinorana e Se os tubarões fossem homens, de Bertolt Brecht. 

Participou pela primeira vez do Festival Artes Vertentes em 2013.

Artista Residente

FOTOGRAFIA 1 - RICK RODRIGUES.jpg

Rick Rodrigues

Rick Rodrigues, artista multidisciplinar nascido em João Neiva (ES), onde vive e trabalha, é graduado em Artes Plásticas e Mestre em Artes pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES). Sua pesquisa explora o espaço da intimidade, do devaneio, da imensidão e de sensibilidade compreendidos através da fenomenologia poética da casa, da morada como proteção e espaço de habitação. Trabalha com séries de desenhos, gravuras, bordados, objetos e pequenas instalações. Nesse contexto, o processo criativo do artista enfatiza a técnica do bordado na discussão da contemporaneidade e da tradição junto a abordagens sobre memória, gênero, afetividade e sexualidade. Rick Rodrigues integra o grupo Almofadinhas, também formado por Fábio Carvalho (RJ) e Rodrigo Mogiz (BH). O artista possui obras em acervos institucionais e particulares.
Participou do Festival Artes Vertentes pela primeira vez em 2018.

Artista Residente

Carignan, Catherine - Crédito Mariana Garcia.jpg

Catherine Carignan

Nascida na província francófona do Québec, no Canadá, Catherine Carignan chegou ao Brasil em 2008, após ter concluído seus estudos no Conservatoire de Musique du Québec sob a instrução de Mathieu Harel, fagote solo associado da Orquestra Sinfônica de Montréal. Entre 2008 e 2020 foi a primeira fagotista da  Orquestra Filarmônica de Minas Gerais. Desde sua chegada em Belo Horizonte, Catherine tem desenvolvido um interesse intenso pela música brasileira e participa de vários projetos com compositores brasileiros.

IMG_5969-3.jpg

André Mehmari

Pianista, arranjador e compositor, nasceu na cidade de Niterói-RJ em 22 de abril de 1977. Considerado pela crítica “um artista singular de imaginação vibrante e generosa”, Mehmari teve seus primeiros contatos com a música através de sua mãe já em Ribeirão Preto-SP.  Mudou-se para São Paulo em 1995, com seu ingresso no curso de piano da ECA-USP. Compositor prolífico e requisitado, apontado como um dos mais originais e completos músicos brasileiros de sua geração e premiado tanto na área erudita quanto popular, teve suas composições e arranjos tocados por muitos grupos orquestrais e de câmara, entre eles OSESP, OSB, Filarmonica de Minas Gerais, Miami Symphony, Orchestre de Normandie, Quarteto da Cidade de São Paulo e Quinteto Villa-Lobos. Recentes trabalhos incluem obras para o violoncelista Antônio Meneses e a trilha sonora da primeira série brasileira produzida para a plataforma Netflix.  Além de uma vasta e premiada discografia composta por mais de quarenta títulos, Mehmari possui uma ativa carreira internacional como solista e criou duos expressivos com músicos como Antonio Meneses, Mário Laginha, Gabriele Mirabassi, Antonio Loureiro, Danilo Brito, Maria João, Hamilton de Holanda, Marilia Vargas, Ná Ozzetti , Maria Bethânia e Mônica Salmaso.

 

Apresentou-se em países como Itália, EUA, Japão, China, Canadá, Argentina, Chile, Equador, Colômbia, Guiana Francesa, Noruega, Holanda, Finlândia, Suíça, Luxemburgo, Alemanha, França, Áustria, Irlanda, Bélgica, Portugal, Espanha, Dinamarca e Angola (além de todos os  principais festivais brasileiros) e em espaços como Salle Gaveau (Paris), Kennedy Center (Washington), Lincoln Center (Nova Iorque), Umbria Jazz, Sala São Paulo e Sala Cecilia Meirelles, entre muitos outros.

3493.jpeg

Mikhail Bugaev

Mikhail Bugaev nasceu em Novosibirsk, Rússia. Durante sua formação no Conservatório Estatal de Novosibirsk, onde estudou com Yuri Mazchenko, iniciou sua carreira profissional como membro da Orquestra Sinfônica de Novosibirsk e da Novosibirsk Kamerata. Em 2009, mudou-se para os Estados Unidos para prosseguir os estudos e, em 2013, completou seu doutorado na Michigan State University, sob orientação de Yuri Gandelsman. Nos Estados Unidos da América, Bugaev tocou regularmente com as orquestras de Kalamazoo, Flint, Lansing e com as Sinfônicas de West Michigan e Traverse. Como solista, apresentou-se com a Orquestra Sinfônica de Novosibirsk, a Novosibirsk Kamerata e a Orquestra Sinfônica de Livingston. Como camerista, tocou colaborou diversas vezes com o Quarteto São Petersburgo, Yuri Gandelsman, Ilya Kaler, Suren Bagratuni e Walter Verdehr. Mikhail Bugaev é o violista assistente da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais. 

20190610_164003_edited_edited.jpg

Cássia Lima

Cássia Lima concluiu Bacharelado em Flauta pelo Instituto de Artes da Unesp e mestrado e o Artist Diploma na Mannes College of Music, em Nova York, como aluna de Keith Underwood. Venceu as principais competições de solistas no Brasil e a Mannes Concerto Competition. Nos EUA, foi bolsista do Tanglewood Music Center, onde atuou como camerista e primeira flauta da orquestra do festival. Foi docente na Universidade de Minnesota e integrou a Minnesota Orchestra, sob regência de Charles Dutoit. De volta ao Brasil, foi primeira flauta e solista na OSESP e integrante do quinteto de sopros Kaleidos. Cássia é flautista principal da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais desde 2009, onde foi solista em várias temporadas.

 

Participou do Festival Artes Vertentes pela primeira vez em 2019.

IMG-20190509-WA0012.jpg

Alexandre Barros

Principal oboísta da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais desde sua fundação em 2008, Alexandre Barros desenvolve há mais de vinte anos uma sólida carreira de solista, camerista e professor. Como solista, esteve à frente da Orquestra Sinfônica de Minas Gerais, Sinfônica da UFMG, Sinfônica da UFOP, Sesiminas, Filarmônica Nova, Sinfônica de Ribeirão Preto, OSESP e Filarmônica de Minas Gerais. De 1996 a 1997, Alexandre integrou a OSESP e, posteriormente, atuou como Primeiro Oboé da Orquestra Sinfônica de Ribeirão Preto. É professor do Centro de Formação Artística da Fundação Clóvis Salgado.

Participou pela primeira vez do Festival Artes Vertentes em 2019. 

Alma_Liebrecht_Maio_14_0553(baixa).jpg

Alma Maria Liebrecht 

Alma Maria Liebrecht estudou com Jerome Ashby no Curtis Institute of Music e com William Purvis na Universidade de Yale, onde obteve o seu mestrado, em 2008. De 2008 a 2010, foi bolsista do Ensemble ACJW do Carnegie Hall. Em 2010, foi uma das fundadoras do grupo de câmara Decoda, coletivo dedicado ao engajamento comunitário através da música. Na mesma época, criou também o quarteto de sopros DZ4. Tem se apresentado nos festivais de Música de Câmera de Portillo (Chile), Savannah (EUA), Music from Angel Fire (EUA), Festival Wien Modern (Áustria), Contemplus Festival (República Checa), assim como com os grupos Chamber Music Society of Lincoln Center, Ensemble Connect, New York Wind Soloists, Jupiter Chamber Players, Argento New Music Project e Talea Ensemble. Alma Liebrecht é a trompista principal da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais.

Participou do Festival Artes Vertentes pela primeira vez em 2015.

2021-foto-Solista-Marcus-Vinícius-Correia-1.jpg

Marcus Julius Lander

Marcus Julius Lander é bacharel em Clarinete pela UNESP. Também foi aluno de Luis Afonso “Montanha” na Universidade de São Paulo e de Jonathan Cohler no Conservatório de Boston. Como solista, já se apresentou nos principais palcos do Brasil, Argentina, Peru, México, Estados Unidos, Sérvia, Bélgica e China. Foi artista residente do 8º Festival Internacional de Clarinete e Saxofone de Nan Ning (China, 2010) e no Festival Internacional de Clarinetes de Pequim (China, 2014). Principal clarinetista da Orquestra Filarmônica de Minas Gerais desde 2009, Marcus também é artista Royal Global e D'addario Woodwinds.

Participou pela primeira vez do Festival Artes Vertentes em 2019.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Também fizeram parte em outras edições