Programação 2022

rosa-dosventos copiar.png

NOVEMBRO

Alexandra Soumm 2_credito Lyodoh Kaneko_edited.jpg

12h 

MÚSICA

Belle époque

Igreja São João Evangelista
R. Padre Toledo, 242
R$40 / R$20 (meia-entrada)

Um panorama da principal referência estética do Brasil de 1922: a Paris da Belle époque.

 

Francis Poulenc 
(1899 - 1963) 

Elegia para trompa e piano

 

Reynaldo Hahn 
(1875 - 1937) 

Soliloque et Forlane 

Maurice Ravel 
(1875 - 1937) 
 
Jeux d’eau 
Sonata póstuma para violino e piano


Francis Poulenc

Sonata para oboé e piano 


 -Elégie (Paisiblement, sans presser) 
- Scherzo (Très animé) 
- Déploration (Très calme)

Camille Saint-Saens

1835 - 1921)

 

Sonata para violino e piano op. 75

-Allegro agitato

-Allegro moderato

-Allegro molto

Alexandre Barros, oboé 
Alma Liebrecht, trompa 
Alexandra Soumm, violino 
Darya Filippenko, viola 
Gustavo Carvalho, piano 
Isadora Rezende, piano

download (1).png

15h 

CICLO DE IDEIAS

Sobre a anti-mestiçagem 
(palestra cancelada)

Sobrado Quatro Cantos
R. da Câmara, 53

Gratuito

A palestra, como o texto na qual está baseada, explora o contraste, diferenças, e complementaridades entre as ideias de mistura e transformação socioculturais implicadas na teoria e ideologia nacional (de vários países Latino-Americanos) da mestiçagem e as formas de mistura e transformação descritos para alguns povos indígenas. O contraste espera render uma crítica à mestiçagem como teoria criolla de fusão de identidades na produção de um povo/nação novo ao contrapor uma teoria de inspiração indígena da mistura anti-fusional que podemos chamar anti-mestiça. A expectativa é explorar este contraste oferecendo um contraponto para o entendimento da nation-building na América Latina.

José Antonio Kelly Luciani

Co-realização: UFMG, Campus Cultural e Instituto Rouanet

berg-header_edited.jpg

16h 

MÚSICA

Melodias à beira do abismo

Igreja São João Evangelista
R. Padre Toledo, 242
R$40 / R$20 (meia-entrada)

Uma reflexão sobre os diferentes posicionamentos e destinos de homens durante alguns dos mais sombrios momentos da história a partir de obras musicais de cinco compositores dos séculos XX e XXI

 

Richard Strauss
(1864 - 1949)

As alegres travessuras de Till Eulenspiegel op. 28

Alban Berg
(1885 - 1935)

Sonata op. 1

Valentin Silvestrov
(1937)

Melodias dos momentos

- Berceuse

- Barcarola

- Berceuse

Gilberto Mendes
(1922 - 2016)

O meu amigo Koelreutter

Kurt Weill
(1900 - 1950)

Suíte da ópera dos três vinténs (transcrição para violino e piano de Stefan Frenkel)

Manuela Freua, soprano
Cássia Lima, flauta
Alexandre Barros, oboé
Marcus Julius Lander, clarineta
Alma Liebrecht, trompa
Catherine Carignan, fagote
Alexandra Soumm, violino
Gustavo Carvalho, piano
Bruno Santos, marimba

gulfer-ergin-LUGuCtvlk1Q-unsplash_edited.jpg

18h

LITERATURA

(In)dependência e (Inter)dependência na literatura

Centro Cultural Yves Alves
R. Direita, 168
Gratuito

Lançamento dos livros


O gosto amargo dos metais e Entre o que brilha e o que arde (Urutau), de Prisca Agustoni (7 Letras)
O som vertebrado, de Edimilson de Almeida Pereira (José Olympio)

Uma a outra tempestade, de Guilherme Gontijo Flores & André Capilé (Relicário)

Performances literárias com a participação de André Capilé, Edimilson de Almeida Pereira, Prisca Agustoni e Ricardo Domeneck.

ACapilé-Gontijo.jpg

19h30

LITERATURA

Uma à outra tempestade

Pátio da Igreja da Nossa Senhora do Rosário dos Pretos
R. Direita
Gratuito

A partir de leituras e cantos entoados do Candomblé, “Uma a Outra Tempestade” recria duas cenas do livro homônimo, de André Capilé e Guilherme Gontijo Flores, em que o colonizador Próspero disputa com a figura escravizada e insurrecta de Caliban/X, fazendo com o que conflito político dos corpos se desdobre também nos embates da linguagem em vertigem.

André Capilé
Guilherme Gontijo Flores

Censura_às_Escolas_de_Samba_-_Requerimento_da_Caprichosos_de_Pilares_ao_Serviço_de_Censura

21h

MÚSICA

Independência, palavra a ser sonhada

Palco Hipólita Jacinta / Marcas Mineiras
R. Sra. das Mercês, 49
R$40 / R$20 (meia-entrada)

Do cabaré ao tango, passando pela MPB, a palavra falada e cantada como ferramenta de crítica e transformação social.

Manuela Freua, soprano

Jesús Reina, violino
Cássia Lima, flauta
Alexandre Barros, oboé
Marcus Julius Lander, clarineta
Alma Liebrecht, trompa
Catherine Carignan, fagote

Silvio d'Amico, guitarra.

Com a participação dos poetas Prisca Agustoni, André Capilé, Edimilson de Almeida Pereira e Ricardo Domeneck.